fbpx

Tarcísio reitera que estudos sobre privatizações continuarão e que greve de hoje é política


O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), classificou, na manhã desta terça-feira (3), a greve deflagrada por funcionários do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) de “abusiva, ilegal e política”.

Funcionários da Sabesp também aderiram à paralisação contra as privatizações em estudo no governo paulista. “Vamos continuar estudando as privatizações (Metrô e CPTM) e a da Sabesp está mais adiantada, com consulta às prefeituras e ao TCM”, destacou.

Na noite de segunda-feira (2), funcionários do Metrô, da CPTM e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) votaram e aprovaram a paralisação conjunta que começou à meia-noite desta terça-feira e tem previsão de duração de 24 horas.

Nesta manhã, as linhas da CPTM e as do Metrô, que não foram privatizadas, se encontravam paralisadas ou em operação parcial. No total, a paralisação do Metrô e da CPTM afetaram nove linhas.

“Infelizmente aquilo que a gente esperava tá se concretizando. Temos aí uma greve de Metrô, CPTM, uma greve ilegal, uma greve abusiva, uma greve claramente política, uma greve que tem como objetivo a defesa de um interesse muito corporativo. E quem tá entrando em greve tá se esquecendo do mais importante que é o cidadão”, disse o governador na entrevista.

Ele disse que não liberou as catracas “porque isso colocaria os cidadãos em risco”. Essa decisão foi criticada pelos sindicalistas, pois segundo eles, com a liberação das catracas, os serviços não seriam paralisados.

Ao reiterar que a greve tem motivação política, o governador de São Paulo também que as direções dos sindicatos são compostas por partidos que “não dialogam” com a população, tanto que não cumpriram o acordo judicial de manutenção básica dos serviços no Metrô e na CPTM.

“Ano que vem tem eleição (municipal) e os sindicatos já programam outras greves, é um abuso”, frisou.

Na entrevista, Tarcísio disse que o governo está totalmente focado nas medidas de contingência para minimizar “ao máximo” o impacto da greve no transporte sobre trilhos e nos serviços de abastecimento de água e tratamento de esgotos na capital.

Veja também: Decisão da Justiça que proíbe greve no Metrô de São Paulo chama movimento de “político”

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”nacional” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”OEHYP91niOE”

 

Fonte das informações: CNNBRASIL

Não há Tags

55 visualizações, 1 hoje

  

55 visualizações, 1 hoje