fbpx

Em dois anos, Brasil ganha 3,6 milhões de MEIs


Cerca de 13,2 milhões de pessoas trabalhavam como microempreendedores individuais (MEIs) no Brasil em 2021, o equivalente a 69,7% do total de empresas e outras organizações e a 19,2% do total de ocupados formais.

Os dados são do levantamento Estatísticas dos Cadastros de Microempreendedores Individuais 2021, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira (4).

Os dados mostram que, de 2019 para 2021, houve crescimento do número de MEIs, em termos absolutos, em participação no total de empresas e outras organizações, e no pessoal ocupado total.

Há dois anos, foram contabilizados 9,6 milhões de microempreendedores. Contra o pré-pandemia, em 2019 existiam 146,3 mil MEIs como empregado, enquanto em 2021 o número caiu para 104,9 mil. A redução é de aproximadamente 30%.

A pesquisa indica que metade dos MEIs atuavam no setor de Serviços, e 29,3% deles, no segmento de Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas.

Já as atividades nas quais os MEIs tiveram maior participação no total de ocupados formais foram Outros Serviços (60,5%) e Alojamento e Alimentação (43,1%).

Quase 40% dos microempreendedores exerciam a atividade na própria moradia.

Entre as atividades mais comuns estão de Informação e Comunicação (48,5%); Educação (47,8%); e Transporte, Armazenagem e Correio (45,3%).

A maioria dos MEIs é formada por homens (53,3%), da cor ou raça branca (47,6%), com idade entre 30 e 39 anos (30,3%) e sem formação de nível superior completo (86,7%).

Entre os MEIs que já tinham trabalhado antes de se tornarem MEIs, 62,2% foram demitidos pelos empregadores ou por justa causa.

As ocupações mais comuns entre os MEIs quando atuavam como empregados eram vendedores de comércio varejista (154,3 mil MEIs), auxiliares de escritório (111,1 mil) e assistentes administrativos (99,5 mil).

Em 2021, 2,9 milhões de novos MEIs foram registrados, representando uma taxa de entrada de 22%, enquanto 857 mil MEIs foram desativados, com uma taxa de saída de 6,5%.

O resultado foi um aumento líquido de 2,1 milhões de MEIs. Os estados com mais MEIs foram São Paulo (3,6 milhões), Rio de Janeiro (1,5 milhão), Minas Gerais (1,5 milhão), Paraná (825,8 mil) e Rio Grande do Sul (799,1 mil).

*Sob supervisão Márcia Barros

Veja também – “Superaplicativo” do BC deve substituir apps dos bancos

data-youtube-width=”640px” data-youtube-height=”360px” data-youtube-ui=”iframe_api” data-youtube-play=”0″ data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”XERWqEheucs”

Fonte das informações: CNNBRASIL

Não há Tags

183 visualizações, 1 hoje

  

183 visualizações, 1 hoje