fbpx

Peeling: veja os diferentes tipos e os cuidados que cada procedimento exige


O peeling, palavra que vem do inglês e significa “descascar”, é um procedimento estético que remove as camadas superficiais da pele e estimula a renovação celular. Através da aplicação de substâncias químicas ou técnicas abrasivas, ele é eficaz no tratamento de acne, manchas, rugas, linhas de expressão e cicatrizes.

Atualmente, há diferentes tipos de peeling, que podem ser classificados de acordo com a profundidade de sua ação e o tipo de substâncias utilizadas. E é justamente essa variedade de opções que deixa muita gente em dúvida sobre como ele é feito e quando cada um deles é indicado.

 

Para esclarecer essas dúvidas, a CNN ouviu dermatologistas que explicam essas diferenças. Veja!

Profundidade dos peelings

Superficial: pode ser a base de ácidos, a laser ou através de aparelhos de promovem leve esfoliação como microcristais. Ele é indicado para peles com manchas leves e acne superficial. Sua ação ajuda a melhorar a textura e o tom da pele.

As substâncias mais usadas nesse tipo de procedimento são: ácido glicólico, ácido salicílico, ácido mandélico e ácido retinóico. Por atingir a camada superficial da pele, há uma descamação leve que pode durar alguns dias e a recuperação é rápida.

Médio: Ele é indicado para melhorar o aspecto das rugas finas, manchas mais acentuadas e cicatrizes de acne moderadas.

No procedimento são usados ácido tricloroacético (TCA) e ácido glicólico em concentrações mais altas. Ele também pode ser feito com laser fracionado não ablativo (atinge apenas algumas partes da derme).

Por atingir uma camada um pouco mais profunda, é normal que a pele fique com vermelhidão e haja descamação mais significativa. O tempo de recuperação dessa categoria de procedimento pode durar até duas semanas.

Profundo: Como o próprio nome já diz, ele atinge uma camada mais profunda da pele e, por isso, é indicado para tratar danos severos causados pelo sol, cicatrizes e rugas profundas. Ele pode ser feito com laser fracionado ablativo ou com o uso de fenol.

Por atingir as camadas mais profundas da pele a recuperação pode durar várias semanas. Este tipo de peeling geralmente requer sedação ou anestesia e um acompanhamento médico rigoroso.

“Os peelings mais procurados geralmente são os mais leves e a laser, com poucos riscos e menor tempo de recuperação”, explica Ana Beatriz Schmidt, dermatologista especializada no método Slow Care.

Tipos de peeling:

  • Mecânico: o esfoliante é aplicado e esfregado na pele até obter uma cor rósea leve e uniforme em todo o rosto. Depois o local é lavado e passa-se um hidratante.
  • Químico (uso de ácidos): a diluição do ácido é escolhida pelo dermatologista após avaliação da pele. Ele é aplicado em sucessivas camadas na pele até que a coloração indique a profundidade obtida, ou seja, quanto mais branca a pele, mais profundo foi. Após alguns minutos, o produto é retirado e a pessoa tem uma descamação da pele em alguns dias. A profundidade e a intensidade dessa descamação variam de acordo com o ácido aplicado.
  • Físico (laser, cristal, areia): ele é feito com o uso de equipamentos e a potência da máquina é escolhida pelo dermatologista variando conforme a necessidade de cada paciente. Ele é aplicado em toda a superfície do rosto, até se obter a coloração desejada para cada local a face.

Quem pode fazer peeling?

A escolha do tipo de peeling deve ser feita apenas por um dermatologista após uma avaliação do paciente. Essa escolha depende de diversos fatores, como tipo de pele, objetivos do tratamento e histórico de saúde do paciente.

“Não se indica um peeling superficial para uma pessoa idosa cheia de rugas profundas. Às vezes, é melhor começar com peeling médio, pois terá bom resultado e menor risco de complicação. Já um peeling profundo, como o fenol, não é indicado para pessoas jovens, que costumam ter pele lisa e com poucas manchas”, explica Paula Sian, dermatologista.

Após o procedimento, é importante seguir as orientações médicas como usar protetor solar diariamente, evitar exposição ao sol e manter a pele hidratada. Ao contrário do que muita gente pensa, não são todas as pessoas que podem fazer esse tipo de procedimento já que até os mais superficiais contêm contraindicações.

“Gravidez, amamentação, alergia aos produtos, doenças de pele como lúpus, infecções locais, feridas na pele e queloides no local de aplicação são algumas das contraindicações”, acrescenta Sian.

Benefícios do peeling:

  • Renovação celular
  • Redução de rugas e linhas de expressão
  • Clareamento de manchas
  • Melhora a textura da pele
  • Tratamento de acne
  • Diminuição de cicatrizes
  • Estímulo da produção de colágeno
  • Pele mais firme e iluminada

Fonte das informações: CNNBRASIL

Não há Tags

4 visualizações, 1 hoje

  

4 visualizações, 1 hoje

Deixe seu Comentário