fbpx

Bitcoin pode cair até US$ 22 mil, alerta analista


Nas últimas 24 horas, o Bitcoin (BTC) exibiu queda de 6,8%, e está atualmente cotado a US$ 25.982,16. O trader e analista Rekt Capital publicou, nesta sexta-feira (18), um vídeo avaliando quais podem ser as próximas movimentações do criptoativo. Ele aponta que o nível de US$ 26 mil é crucial para definir o que esperar do mercado cripto nos próximos dias.

US$ 26 mil e o fechamento semanal

O Bitcoin surpreendeu o mercado com uma súbita queda no preço. Entre os motivos apontados como causa do movimento está a suposta venda de US$ 373 milhões em BTC da SpaceX. Como consequência da queda súbita, o mercado cripto experienciou US$ 1 bilhão em liquidações entre os dias 17 e 18 de agosto.

Este pode não ser, porém, o fim do sofrimento dos investidores apostando na alta do BTC. Rekt Capital aponta que o gráfico semanal da maior criptomoeda em valor de mercado corre o risco de formar o padrão de “topo duplo”.

Para evitar que isso aconteça, o Bitcoin precisa encerrar a semana acima dos US$ 26 mil. Caso contrário, o criptoativo tem grandes chances de buscar a zona de preço em US$ 22 mil.

Gráfico semanal do par BTC/USD. Imagem: Rekt Capital

“Se observarmos um fechamento semanal abaixo de US$ 26 mil, seguido de uma rejeição acima desse nível, então provavelmente veremos a ocorrência desse topo duplo. Já vimos o Bitcoin ficar abaixo de US$ 26 mil, mas o fechamento semanal acima desse nível impediu o BTC de atingir níveis mais baixos”, avalia o analista.

Rekt Capital reforça que uma queda maior deve ser considerada somente se o Bitcoin encerrar a semana abaixo de US$ 26 mil. “É muito fácil ficar preso na euforia de queda, onde estendemos nossas previsões, achando que teremos queda até US$ 10 mil”, acrescenta.

Suporte extra e um novo problema

Mesmo com o fechamento semanal abaixo de US$ 26 mil, o Bitcoin pode encontrar proteção na zona dos US$ 24 mil, afirma Rekt Capital. Ele aponta que, nas últimas semanas, o BTC vem formando um padrão invertido de cabeça e ombros. 

Nesse padrão, a “linha de pescoço” está posicionada em US$ 24 mil, região onde a liquidez pode retornar e impulsionar o preço novamente.

Padrão cabeça e ombros invertido. Imagem: Rekt Capital

A proteção extra na queda, no entanto, pode não ser suficiente para segurar o Bitcoin no caso do rompimento, para baixo, dos US$ 26 mil. No movimento feito entre abril e junho, quando o topo foi atingido duas vezes, Rekt Capital destaca que o volume negociado estava em uma crescente. Desta vez, o volume negociado está em queda.

Além disso, o analista avalia que ainda há pressão de venda a ser exercida, o que pode empurrar o preço para baixo. “Não houve uma exaustão de venda, que é algo que poderia sugerir uma recuperação. Se o volume de venda crescer, devemos observar como o preço se comporta”, diz. 

Leia mais:

Fonte das informações: Cointelegraph

Não há Tags

93 visualizações, 1 hoje

  

93 visualizações, 1 hoje