fbpx

Preço do Bitcoin em risco? Índice do dólar (DXY) confirma ‘cruz de ouro’


O Índice de Força do Dólar (DXY) atingiu seu nível mais alto em quase 10 meses em 22 de setembro, indicando que há uma confiança crescente na moeda dos Estados Unidos em comparação com outras moedas fiduciárias economicamente relevantes, como a libra esterlina, o euro, o iene japonês e o franco suíço.

“Cruz de ouro” do DXY é confirmada

Além disso, os investidores estão preocupados com o fato de que este aumento no interesse pelo dólar pode representar mais desafios para o preço do Bitcoin (BTC) e das demais criptomoedas de modo geral, embora não haja necessariamente uma conexão direta entre o DXY e o BTC.

Índice de Força do Dólar (DXY). Fonte: TradingView

O DXY confirmou um padrão de cruz de ouro quando a média móvel de 50 dias ultrapassou a média móvel de 200 dias. Este movimento é frequentemente entendido como um sinal de alta por especialistas em análise técnica.

Impactos da recessão e da inflação nos EUA

Apesar de alguns investidores acreditarem que as tendências históricas de determinados ativos são definidas apenas pelos padrões de preços, é importante observar que, em setembro, o dólar exibiu força mesmo diante das preocupações sobre a inflação e o crescimento económico na maior economia do mundo.

As expectativas do mercado para o crescimento do produto interno bruto dos EUA em 2024 oscilam em 1,3%, que é inferior à taxa média de 2,4% dos quatro anos anteriores. Este abrandamento é atribuído a fatores como a política monetária mais restritiva do Banco Central dos EUA (Fed), o aumento das taxas de juros e a diminuição do estímulo fiscal.

No entanto, nem todas as altas do DXY refletem uma maior confiança na política monetária do Fed. Por exemplo, se os investidores optarem por vender títulos do Tesouro dos EUA e reter dinheiro, isso sugere a iminência de uma recessão ou um aumento significativo da inflação como os cenários mais prováveis.

Quando a taxa de inflação momentânea é de 3,7% e está numa trajetória ascendente, há pouco incentivo para optar por um rendimento de 4,4%, levando os investidores a exigir um retorno anual de 4,62% sobre os títulos do Tesouro dos EUA de cinco anos desde 19 de setembro – o nível mais alto em 12 anos.

Rendimento dos Títulos do Tesouro dos EUA de 5 anos. Fonte: TradingView

Estes dados demonstram inequivocamente que os investidores estão evitando os títulos do governamentais em favor da segurança de manter dinheiro disponível em caixa. Isto pode parecer contraditório à primeira vista, mas alinha-se à estratégia de esperar por um ponto de entrada mais favorável.

Os investidores estão antecipando que o Fed continuará a aumentar as taxas de juros, permitindo-lhes obter rendimentos mais elevados no futuro.

Se os investidores não confiarem na capacidade do Fed de conter a inflação sem causar danos económicos significativos aos EUA, pode não existir uma ligação direta entre um DXY mais forte e a redução da procura por Bitcoin. Por um lado, existe efetivamente uma diminuição do apetite por ativos de risco por parte dos investidores, evidente no desempenho negativo de 4,3% do Índice S&P 500 em Setembro. Contudo, os investidores reconhecem que acumular dinheiro, mesmo em fundos do mercado monetário, não garante a manutenção do seu poder de compra.

Mais dinheiro em circulação é favorável ao preço do Bitcoin

À medida que o governo continua a aumentar o limite máximo de sua dívida, os investidores sofrem com a diluição de seu capital, tornando os retornos nominais menos significativos devido ao aumento da oferta monetária. Isto explica porque ativos escassos como o Bitcoin, e algumas empresas líderes de tecnologia podem ter um bom desempenho mesmo durante períodos de desaceleração econômica.

Se o S&P 500 mantiver a sua tendência de baixa, então os investidores poderão abandonar os mercados de risco, independentemente da sua escassez ou potencial de crescimento, pelo menos em um primeiro momento. Nesse ambiente, o Bitcoin poderia de fato enfrentar uma depreciação de valor.

No entanto, é importante notar que esta análise ignora o fato de que as mesmas pressões da inflação e da recessão provavelmente aumentarão a oferta monetária, quer através da emissão adicional de dívidas do Tesouro, quer através da compra de títulos do Fed em troca de dólares.

De qualquer forma, o aumento da liquidez nos mercados tende a favorecer o Bitcoin, uma vez que os investidores podem procurar refúgio em ativos alternativos para se protegerem contra a “estagflação” — uma situação marcada por crescimento econômico estagnado associado a uma inflação galopante.

Portanto, a cruz de ouro do DXY pode não representar necessariamente um resultado líquido negativo para o Bitcoin, especialmente em prazos mais longos.

Este artigo é para fins de informação geral e não se destina e não deve ser tomado como aconselhamento jurídico ou de investimento. Os pontos de vista, pensamentos e opiniões expressos aqui são exclusivamente do autor e não refletem ou representam necessariamente os pontos de vista e opiniões do Cointelegraph.

LEIA MAIS

Fonte das informações: Cointelegraph

Não há Tags

31 visualizações, 1 hoje

  

31 visualizações, 1 hoje